Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Espectroscopia a laser de anti-hidrogênio

Claudio Lenz Cesar

Instituto de Física da Universidade Federal do Rio de Janeiro

 

RESUMO

Apresentaremos os desenvolvimentos dos experimentos ATHENA e ALPHA, do Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (CERN), localizado em Genebra (Suíça), os quais nos levaram à primeira formação de um antiátomo a baixas energias, seguido por seu aprisionamento, o que permitiu a realização da primeira excitação a laser de um antiátomo.

A comparação espectral entre hidrogênio (H) e anti-hidrogênio (anti-H) na transição 1s-2s pode atingir partes em 10^12 já este ano, tendo o potencial de chegar a partes em 10^15 e além, nos próximos anos.

Essa medida tem o potencial de se tornar um dos testes diretos mais precisos da simetria de CPT (carga, paridade, tempo) já realizadas. Para atingir precisões além de 13 algarismos significativos, efeitos sistemáticos têm que ser estudados com muito cuidado.

Com vistas a isso, desenvolvemos, na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), uma técnica que gera feixes frios de hidrogênio (entre outras espécies atômicas e moleculares), a qual tem o potencial de permitir o aprisionamento de H na mesma armadilha magnética que o anti-H. No Colóquio, discutiremos esses temas e detalhes da espectroscopia de anti-H.

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página