Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Status e perspectivas dos materiais atomicamente finos

COLÓQUIOS DO CBPF

Status e perspectivas dos materiais atomicamente finos

 

"Excepcionalmente, este colóquio não foi nem gravado, nem transmitido ao vivo pelo Canal do CBPF no YouTube."

 

Victor Carozo 

Departamento de Física da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro 

 

Local: Auditório Ministro João Alberto Lins de Barros, no CBPF, rua Dr. Xavier Sigaud, 150, Urca, Rio de Janeiro (RJ).

Dia: 19 de setembro de 2017, terça-feira.

Horário: 16h (Entrada gratuita. Não servidores devem apresentar documento de identificação).

 

RESUMO

A classe dos materiais atomicamente finos ou bidimensionais (2D) surge efetivamente com a descoberta do grafeno, em 2004. Os seus descobridores Geim e Novoselov receberam o Prêmio Nobel de Física em 2010. O grafeno tomou atenção da comunidade científica pelas suas excepcionais características eletrônicas e mecânicas. Entretanto, até meados de 2010 a comunidade ainda não tinha explorado outros materiais 2D. Em um trabalho pioneiro, Tony Heinz mostrou que o dissulfeto de molibdênio quando esfoliado até uma única camada atômica, possui um bandgap direto, ao contrário do seu estado Bulk. Isso abriu caminho para pesquisas em eletro-óptica na escala bidimensional.

A partir daí surge uma corrida na busca de novos materiais 2D. Hoje, os materiais 2D descobertos possuem grande variedade de características, de metálicos, semicondutores ou isolantes até magnéticos ou supercondutores. O entendimento da maioria dessas propriedades na escala 2D ainda se encontra em aberto, o que atrai muitos pesquisadores para esse campo.

Este seminário tem o objetivo de mostrar de forma geral o surgimento desse novo campo na física da matéria condensada e as perspectivas futuras. Será dividido em dois blocos: no primeiro, vamos apresentar as características estruturais, eletrônicas e vibracionais dos materiais 2D e as diversas formas de obtenção, como esfoliação química, esfoliação mecânica e síntese. Em seguida, as aplicações que estão sendo desenvolvidas em diversas áreas, como valleytronics, piezoeletricidade, ferroeletricidade e dispositivos eletro-ópticos. 

 

BREVE CV

Victor Carozo tem bacharelado em física pela Universidade Federal de Sergipe (2007), mestrado e doutorado em ciências dos materiais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2008-2014). Trabalhou como pesquisador metrologista na divisão de materiais do Inmetro (2011-2014) onde desenvolveu estudos sobre espectroscopia Raman em grafeno. No período pós-doutoral foi pesquisador visitante na Universidade da Pensilvânia (EUA) (2014-2016), onde trabalhou na síntese e espectroscopia de fotoluminescência a baixa temperatura em sistemas bidimensionais MoS2, WS2 e heteroestruturas. Em 2016, entrou no departamento de física da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página