Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Programa Profissional

Publicado: Quarta, 28 de Junho de 2017, 00h19 | Última atualização em Segunda, 25 de Novembro de 2019, 16h51 | Acessos: 10813
Nome do Serviço Acessar
Inscrições Abertas - Clique aqui


Mestrado Profissional em Física com Ênfase em Instrumentação Científica

 

 

No ano 2000, o CBPF estabeleceu no país o primeiro Mestrado Profissional em Física, com ênfase em Instrumentação Científica, aproveitando a sua tradição de pesquisa e desenvolvimento científico e tecnológico, associado à física experimental desde 1949.

O MP do CBPF se enquadra em uma nova modalidade de formação em física no país, e tem como objetivo preencher uma lacuna na formação de pessoal voltado para a Instrumentação Científica e inovação tecnológica, procurando suprir a demanda e a carência nacional de pessoal qualificado nesta área.  Para tal, aproveita a infraestrutura disponível no CBPF e a demanda inerente à pesquisa em física experimental e aplicada, para a formação de profissionais voltados a inovação e o desenvolvimento tecnológico. A imersão do mestrando neste ambiente de pesquisa promove uma formação profissional diferenciada. As atividades do mestrado são, portanto, vinculadas às linhas de pesquisa científica da instituição, suas colaboradoras e a demandas de áreas afins e empresas tecnológicas. Por isto, o MP do CBPF foi relacionado como um dos objetivos e metas a serem executadas pelo CBPF no Plano de Ações das unidades de pesquisa do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Sua perspectiva é o fortalecimento e a ampliação de ações que estabeleçam parcerias com outras instituições e com o setor produtivo, atraindo mais estudantes e fontes de financiamento, promovendo a inovação.

A importância da existência e fortalecimento de um mestrado em instrumentação como o do CBPF, pode ser colocada em perspectiva pela publicação da SBF, intitulada: A Física e o desenvolvimento nacional Relatório – SBF 2012. Neste documento, um dos resultados da pesquisa realizada entre docentes e discentes de universidades, institutos de pesquisa e colégios; além de gerentes e donos de empresas indicou dois principais gargalos para alavancar à Física brasileira e sua interação com o setor empresarial: a qualificação de pessoal em instrumentação científica e tecnológica e a difusão de Laboratórios Multiusuários.

As áreas de atuação da Instrumentação Científica e Tecnológica estão interligadas com a Física Aplicada e a Física Experimental. Essas áreas podem ser condensadas em: análise, caracterização, quantificação e controle de fenômenos e parâmetros físicos, químicos, biológicos e ambientais que se interligam com as áreas de: eletrônica, sensores, controle de processos, automação, medidas de grandezas físicas, modelagem, métodos computacionais, estatística, mecânica, pneumática, criogenia, nanofabricação e petrofísica entre outros. A instrumentação científica ainda pode ser aplicada na produção e desenvolvimento de novos materiais, dispositivos, equipamentos, sistemas e medicamentos, sendo por isto um fator de geração de inovação.

Desde 2012, o programa de MP do CBPF disponibiliza por teleconferência as suas disciplinas obrigatórias, assim como algumas eletivas, para alunos provenientes de outras instituições do país. Em 2013 e 2014, alunos do LNLS em Campinas cursaram à distância várias disciplinas com ótimo aproveitamento e desenvolvem seus trabalhos de dissertação em temas de interesse das duas instituições. Essa iniciativa se mostrou positiva para o corpo docente e fundamental para os alunos. A ampliação do âmbito do programa tem apontado para um futuro programa em rede nacional.

Embora o programa de Mestrado Profissional em Física (MP do CBPF) com ênfase em Instrumentação Científica não tenha oferta de bolsas pela Capes ou outro órgão de fomento, todos os esforços foram feitos desde 2014 para manter a avaliação máximo de um programa que possui apenas Mestrado. Em 2017, o programa MP do CBPF foi novamente avaliado e sua classificação se manteve em 4 (quatro) em uma escala onde o máximo é 5 (cinco). Este ano foi sem dúvida um ano especial para o CBPF e para o seu pioneiro. Por outro lado, em 2016/2017 vários docentes se empenharam em conseguir financiamento de empresas e no ano de 2015 e 2016 três bolsas foram pagas por uma empresa do setor de petróleo, mas isso não atende a demanda de se produzir instrumentos científicos nacionais.

No ano de 2016, a FAPERJ concedeu uma bolsa emergencial para docente e coordenador do MP utilizar em materiais e infraestrutura laboratorial do programa. Esta bolsa veio ajudar a manter e apoiar a infraestrutura de pesquisa dos alunos do programa, reduzindo o tempo de formação e atraindo novos alunos.

O Programa de Mestrado Profissional em Física (MP do CBPF) com ênfase em Instrumentação Científica não possui financiamento PROAP ou PROEX e nem oferta de bolsas pela  CAPES ou CNPq.



Resultados acadêmicos obtidos em 2016/2017

O MP do CBPF formou, até dezembro de 2016, um total de 50 mestres. Para se adequar às diretrizes e recomendações dos consultores da Capes, principalmente durante a última visita realizada em maio de 2012, um novo credenciamento foi realizado e o corpo docente permanente do programa foi reduzido de 22 para 15 (quinze) docentes, sendo que 11 deles com bolsa de produtividade do CNPq. O número de docentes colaboradores foi reduzido para 5 (cinco) e se mantém constante em 2016. Todo o corpo docente é formado por doutores bem qualificados para a formação pretendida pelo PPG. A maioria dos professores credenciados possui experiência profissional condizente com a formação proposta e que associada à formação acadêmica de todo o corpo docente proporciona um ambiente de elevada capacidade de formação.

Em 2016, o programa de MP do CBPF organizou o seu principal evento bianual: a 3a Oficina de Instrumentação Científica e Inovação Tecnológica - O2i (veja o site: http://mesonpi.cat.cbpf.br/o2i/) que teve como público-alvo mais de 100 participantes entre profissionais, estudantes, professores e empresários com interesses em instrumentação científica e tecnológica, ciência, tecnologia e inovação nas áreas da Física, Engenharias, Química, áreas ligadas à saúde humana e ciências afins. Na atual edição do evento foi observada maior participação de empresas e gestores de outras instituições do MCTI que enviaram representantes interessados no desenvolvimento da Instrumentação e Inovação no País. Tal fato é reflexo da mudança cultural e do fomento realizada pelo governo em prol da Inovação, o que tem levado as empresas a se aproximarem cada vez mais das unidades de pesquisa em busca de soluções tecnológicas.

O evento da O2i passou a ser anual em 2016, pois acontecia em anos alternados ao evento maior da Escola do CBPF. Uma vez que houve um adiamento da escola do CBPF para o ano de 2015, a programação do evento O2i para o ano de 2015 foi alterado para o ano de 2016. Para 2018 está programada nova edição da Oficina de Instrumentação.

Como resultado das ações dos últimos anos, a distribuição de orientandos por docente ficou mais homogênea após o último credenciamento. Em 2016, o total de alunos matriculados foi de 21 alunos para 14 docentes permanentes, sendo que o perfil atual do corpo docente é preferencialmente de física aplicada, experimental e/ou instrumentação, como recomendado na última visita da comissão da Capes ao programa.

A produção Intelectual do MP do CBPF em 2016, para publicações principalmente vinculadas a alunos e ex-alunos do MP e da PG do CBPF foi de 71 trabalhos que possuem vinculação com o programa e/ou aplicação de instrumentação desenvolvida e utilizada no CBPF.  Vários desses trabalhos foram publicados em periódicos internacionais, embora o MP do CBPF esteja principalmente dedicado à produção técnica, tais como: Notas Técnicas do CBPF, trabalhos em conferência, relatórios técnicos discentes e docentes, patentes de produto e processo, modelos de utilidade, produção tecnológica, protótipos, dispositivos, softwares, livros, capítulo de livros, manuais etc.

Em 2016 foram depositadas no âmbito de MP, 02 patentes e 01 registro de software e 1 registro da marca O2i,  totalizando o CBPF o depósito de 33 patentes nacionais, 9 internacionais (PCTs), 3 softwares e 2 marcas, desde 2004 - contados após a diplomação das duas primeiras turmas do MP do CBPF.

No portal da PG do CBPF e no CBPFfindex mais informações podem ser encontradas: http://portal.cbpf.br/index.php/propriedade-intelectual


Vale ressaltar a publicação de Notas Técnicas do CBPF (NT do CBPF). Este periódico desde o início de 2012 passou a atuar nos moldes de revistas de circulação internacional, tendo corpo editorial, arbitragem externa, registro ISSN e DOI (dx.doi.org/10.7437/NT2236-7640).

As publicações não são restritas à produção do CBPF. As NTs do CBPF são publicadas no site da biblioteca do CBPF (http://www.cbpf.br/notastecnicas) e também em papel para distribuição em bibliotecas.

Para defender sua dissertação, cada aluno deve publicar relatórios técnicos semestrais no formato de um paper ou dissertação e ter pelo menos uma publicação na revista Notas Técnica do CBPF (NTs). A média de Notas Técnicas tem sido de 1,5 por dissertação defendida, com tendência a aumentar. A proteção intelectual dos trabalhos - através do depósito de patentes e registros - é incentivada e promovida pelo programa em cooperação com o Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) do CBPF.

Ainda em 2016, um convênio com uma Faculdade de Uberaba atraiu 6 professores que cursaram as disciplinas obrigatórias do programa em caráter semi-presencial. Atualmente esses alunos estão já engajados em projetos de pesquisa para 2017 e 2018. Outras perspectivas de convênios com Universidades públicas têm surgido e devem se concretizar ao longo de 2018.



Estrutura curricular

A estrutura curricular descrita foi compilada do Estatuto e Normas da Pós-Graduação (PG) do CBPF (subordinada á Coordenação de Formação Científica - COEDU, para o programa de MP em Instrumentação Científica e, pode ser acessada pelo site: http://portal.cbpf.br/attachments/ensino/pdfs/NORMASPG_2008.pdf.

As disciplinas de pós-graduação oferecidas pelo CBPF para o curso de Mestrado Profissional em Física, área de concentração Instrumentação Científica, serão ministradas segundo um sistema de créditos no qual cada (01) crédito é equivalente a 16 (dezesseis) horas-aula e estruturam-se em 03 (três) grupos: Básicas obrigatórias, Eletivas, e Minicursos:

 - DISCIPLINAS BÁSICAS OBRIGATÓRIAS
 São disciplinas que deverão ser cursadas independentemente do projeto de dissertação.  Estas disciplinas têm carga horária semanal mínima de 4 (quatro) horas correspondendo a 04 (quatro) créditos cada. As disciplinas obrigatórias para a área de concentração em Instrumentação Científica são:
- Mecânica Quântica Aplicada, 04 (quatro) créditos;
- Eletrônica analógica e Digital, 04 (quatro) créditos;
- Métodos Experimentais e Sistemas de Medidas, 04 (quatro) créditos.

- DISCIPLINAS ELETIVAS
São disciplinas com no mínimo 4 (quatro) horas-aula semanais ou 4 créditos, cuja ementa verse sobre tópicos avançados da área de instrumentação, ou, ainda, disciplinas  regulares do Mestrado Acadêmico em Física do CBPF.

- MINICURSOS
 São cursos de curta duração com no máximo 32 horas-aula, referendados pelo Comitê Supervisor da COEDU. Estes cursos poderão, também, ser ministrados por especialistas convidados. A avaliação também é obrigatória em minicursos. Se aprovado, o aluno terá direito a 01 (um) crédito por cada 16 horas-aula.

 - DA APROVAÇÃO
 - Durante o curso de mestrado, o candidato deverá obter aprovação (conceito final  A, B ou C) em disciplinas assim distribuídas:
 - 12 (doze) créditos em disciplinas básicas obrigatórias. 
 - 08 (oito) créditos em disciplinas eletivas e/ou minicursos.
 - Os créditos têm prazo de validade de 05 (cinco) anos para fins de requerimento  de defesa de dissertação. Após este prazo, cada caso será apreciado pelo CS/ COEDU.
 - O candidato poderá requerer o reconhecimento de, no máximo, 12 (doze) créditos  obtidos em outras instituições para satisfazer o exigido no item IV.1 acima. O requerimento deverá ser apresentado na secretaria da COEDU juntamente com os seguintes documentos:
i) Histórico Escolar contendo explicitamente o grau de aprovação e a carga horária da disciplina;
ii) Ementa oficial fornecida pela Instituição onde a disciplina foi cursada.
Estes documentos serão analisados pelo CI/CFC que decidirá quanto ao atendimento, ou não, da solicitação.

 - DO EXAME DE PROFICIÊNCIA EM INGLÊS
 O candidato deverá, sob pena de não ter sua matrícula renovada no terceiro semestre, submeter-se ao exame de proficiência em Inglês dentro dos 2 (dois) primeiros semestres de seu curso de Mestrado. O exame consistirá de tradução de um texto científico extraído de revistas de divulgação científica. O exame de proficiência em Inglês será realizado duas vezes por ano.

  - DO EXAME DE PROFICIÊNCIA EM PORTUGUÊS PARA ESTUDANTES ESTRANGEIROS
 O candidato, se estudante estrangeiro cujo idioma de origem não seja o Português deverá, sob pena de não ter sua matrícula renovada no terceiro semestre, submeter-se dentro dos 2 (dois) primeiros semestres do curso de Mestrado ao exame de proficiência em Português.
 O exame de proficiência em Português será realizado duas vezes por ano. O exame deverá avaliar a capacidade de interpretação e redação de textos técnicos em Português.

  - ORIENTAÇÃO DO TRABALHO DE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO
 O candidato deverá apresentar à COEDU o projeto de dissertação de Mestrado, com  aprovação de um orientador, membro do corpo docente do Programa de Mestrado Profissional em Física do CBPF, no prazo de até 1 (um) período acadêmico de matrícula regular.
 Será solicitado, para renovação de matrícula do candidato a cada período  acadêmico, relatório de atividades com o parecer do orientador sobre o desempenho do candidato no período anterior e sobre o andamento de seu trabalho de dissertação, segundo formulário próprio fornecido pela secretaria da COEDU.
 A mudança de orientador de trabalho de dissertação deverá ser aprovada pela COEDU após consulta ao orientador atual.

 - DOS REQUISITOS PARA OBTENÇÃO DO TÍTULO DE MESTRE
1 - Ser portador de diploma de graduação;
2 - Estar inscrito regularmente no Programa de Mestrado Profissional em Física;
3 - Possuir, por ocasião da apresentação da dissertação, todos os créditos  especificados no item 1;
4 - Apresentar dissertação de Mestrado que se caracterize, dentro dos critérios do Mestrado Profissional em Física, área de concentração em Instrumentação Científica, como trabalho de pesquisa ou de desenvolvimento tecnológico realizado pelo candidato na sua área de especialização, com recomendação pelo orientador para a defesa da dissertação;
5 - Ter sido aprovado no exame de proficiência em idiomas;
6 - Ser aprovado na defesa de dissertação de Mestrado por maioria simples dos membros da banca examinadora proposta pelo CS/COEDU, com a seguinte composição:
 - Orientador (Presidente da banca);
 - 01 (um) pesquisador/tecnologista não pertencente ao quadro do CBPF;
 - 01 (um) pesquisador/tecnologista do quadro do CBPF;
Obs.: O CI-COEDU indicará um membro suplente que terá direito a voto quando substituir o titular.
O CI- COEDU poderá aprovar a participação de um membro convidado e/ou o co-orientador (se for o caso), que não terá (ão) direito a voto.
7 - Os membros da banca deverão informar até uma semana antes da defesa, em  formulário próprio, se a dissertação está apta para ser defendida.
8 - Apresentar, no prazo máximo de 03 (três) meses após a defesa, a redação final  do texto da dissertação, atendendo, quando houver, às sugestões de modificações, acréscimos, supressões, etc, propostas pela banca examinadora.
OBS: Atualmente, tem sido aceito que membros externos de banca de mestrado possam participar das defesas em teleconferência, se for estritamente necessário.

 - MATRÍCULA EM DISCIPLINA ISOLADA
1 - A solicitação de matrícula em disciplina isolada nos Cursos de Pós-Graduação do  CBPF será analisada pelo CS- COEDU, ouvido o professor da disciplina na ocasião. Esta deverá ser acompanhada do Histórico Escolar do candidato e não poderá ser encaminhada por alunos de Pós-Graduação do CBPF.
2 - O aproveitamento de créditos obtidos em disciplinas isoladas deverá ser solicitado  pelo candidato à COEDU e constará em toda declaração e Histórico Escolar emitidos pela COEDU.

 - DO DESLIGAMENTO DO PROGRAMA MP
O candidato inscrito no programa de Mestrado poderá ser desligado nos seguintes  casos:
1 - Por solicitação do candidato;
2 - Por não ter renovado matrícula ou não ter solicitado trancamento de matrícula em  qualquer período acadêmico;
3 - Por ter sido reprovado 02 (duas) vezes, no mesmo curso ou em cursos diferentes;
4 - Por não ter completado os créditos referidos no item IV.2 dentro de 04 (quatro)  períodos acadêmicos de matrícula regular, com aproveitamento médio mínimo igual a B;
5 - Após seis períodos acadêmicos de matrícula regular (excetuados os períodos de  trancamento de matrícula).
6 - Ao acumular trancamento por mais de 02 (dois) períodos acadêmicos.
7 - Por não ter atendido as exigências acadêmicas do programa conforme avaliação do CI- COEDU, ouvido o orientador.

 - DO CORPO DOCENTE
1 - O Corpo Docente do Programa de Mestrado Profissional será constituído por Pesquisadores e/ou Tecnologistas doutores com vínculo permanente ou eventual com o CBPF com boa produção científica e/ou técnica, cuja solicitação de credenciamento tenha sido aprovada pelo CI- COEDU. O Corpo Docente será divulgado na página eletrônica da COEDU. É possível, a critério do CI- COEDU, a figura do co-orientador externo, que deverá se submeter às mesmas regras aplicadas aos docentes do CBPF.
2 - Para solicitar credenciamento, o candidato a docente deverá preencher o formulário específico da COEDU e estar com o Currículo Lattes atualizado.
3 - O docente credenciado assume o compromisso de:
a) Manter uma produção científica e/ou técnica;
b) Manter a CFC informada sobre sua produção científica e/ou técnica via atualização do Currículo Lattes nos meses de janeiro e agosto de cada ano, ou quando solicitado pela COEDU;
c) Ministrar cursos de pós-graduação com a regularidade definida pelo CI- COEDU, levando-se em consideração as diferentes categorias (permanente, colaborador, eventual) do corpo docente;
d) Publicar e comunicar à Secretaria da COEDU as notas e conceitos finais de cursos sob sua responsabilidade, de acordo com o calendário anual estabelecido pela CFC.
4 - A COEDU promoverá um recadastramento a ser realizado no primeiro ano de cada período de avaliação da CAPES. Neste recadastramento serão avaliadas:
a) a produção científica e/ou técnica do docente no período;
b) sua contribuição à formação de pessoal na forma de cursos;
c) orientação de alunos.
Os parâmetros desta avaliação serão previamente definidos pelo CS- COEDU
5 - A CI- COEDU definirá, após análise do currículo do solicitante, a categoria de enquadramento do docente no Programa, de acordo com as normas da CAPES.
6 - O docente credenciado terá direito de:
a) Propor e ministrar cursos de pós-graduação;
b) Solicitar a orientação de dissertação de mestrado profissional;
c) Solicitar o uso de verbas alocadas à COEDU para custear parcialmente as despesas dos projetos de dissertação de mestrado de seus orientandos.
d) Publicar e comunicar à Secretaria da COEDU as notas e conceitos finais de cursos sob sua responsabilidade, de acordo com o calendário anual estabelecido pela CFC.


 
Alexandre Mello de Paula Silva
Coordenador do Programa de Mestrado Profissional em Física do CBPF
Subordinado a COEDU

Fim do conteúdo da página