Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Status e perspectivas dos materiais atomicamente finos

Publicado: Terça, 19 de Setembro de 2017, 19h34 | Última atualização em Quarta, 20 de Setembro de 2017, 19h30 | Acessos: 1776

Victor Carozo

Departamento de Física,

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro 

 

Local: Auditório do 6º andar, rua Dr. Xavier Sigaud, 150, Urca, Rio de Janeiro (RJ).

Dia: 19 de setembro de 2017, terça-feira.

Horário: 16h (Entrada gratuita. Não servidores devem apresentar documento de identificação).

 

RESUMO

A classe dos materiais atomicamente finos ou bidimensionais (2D) surge efetivamente com a descoberta do grafeno, em 2004. Seus descobridores, Geim e Novoselov, receberam o prêmio Nobel de Física em 2010. O grafeno tomou atenção da comunidade científica pelas suas excepcionais características eletrônicas e mecânicas. Entretanto, até meados de 2010, a comunidade ainda não tinha explorado outros materiais 2D. Em um trabalho pioneiro, Tony Heinz mostrou que o dissulfeto de molibdênio, quando esfoliado até uma única camada atômica, tem um bandgap direto, ao contrário do seu estado bulk. Isso abriu caminho para pesquisas em eletro-óptica na escala bidimensional.

A partir daí, surge uma corrida na busca de novos materiais 2D. Hoje, os materiais 2D descobertos têm grande variedade de características, de metálicos, semicondutores ou isolantes até magnéticos ou supercondutores. O entendimento da maioria dessas propriedades na escala 2D ainda se encontra em aberto, o que atrai muitos pesquisadores para esse campo.

Este colóquio tem o objetivo de mostrar de forma geral o surgimento desse novo campo na física da matéria condensada e as perspectivas futuras. Será dividido em dois blocos: no primeiro, vamos apresentar as características estruturais, eletrônicas e vibracionais dos materiais 2D e as diversas formas de obtenção, como esfoliação química, esfoliação mecânica e síntese; em seguida, as aplicações que estão sendo desenvolvidas em diversas áreas, como valleytronics, piezoeletricidade, ferroeletricidade e dispositivos eletro-ópticos. 

 

BREVE CV

Victor Carozo tem bacharelado em física pela Universidade Federal de Sergipe (2007), mestrado e doutorado em ciências dos materiais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2008-2014). Trabalhou como pesquisador metrologista na divisão de materiais do Inmetro (2011-2014), onde desenvolveu estudos sobre espectroscopia Raman em grafeno. No período pós-doutoral, foi pesquisador visitante na Universidade da Pensilvânia, nos EUA (2014-2016), onde trabalhou na síntese e espectroscopia de fotoluminescência a baixa temperatura em sistemas bidimensionais MoS2, WS2 e heteroestruturas. Em 2016, entrou no Departamento de Física da PUC-RJ.

registrado em:
Fim do conteúdo da página